You are currently viewing USP integra programa sobre os primeiros mil dias do desenvolvimento infantil

USP integra programa sobre os primeiros mil dias do desenvolvimento infantil

Wellcome Leap, organização sem fins lucrativos, com sede nos Estados Unidos, que financia projetos para acelerar inovações que beneficiem a saúde global, contemplou a Universidade de São Paulo (USP) e mais outras nove institutições acadêmicas para participarem do programa “Os primeiros 1000 dias: promovendo redes cerebrais saudáves”. A proposta é facilitar ativamente a colaboração e a sinergia entre os grupos participantes, à medida que progredirem juntos em direção às metas do programa.

O projeto da USP foi elaborado por pesquisadores de diferentes unidades, contou com coparticipações externas e tem como responsável principal, o Prof. Guilherme Vanoni Polanczyk, do Departamento de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da USP. A próxima etapa será o início das pesquisas de campo, com prévisão de duração de três anos, prorrogável por mais um ano.

Background

Durante os primeiros 1000 dias de vida, são desenvolvidas habilidades cognitivas críticas a partir de influências genéticas, exposições ambientais e das experiências de cuidado e de estimulação que as crianças recebem. Funções executivas e linguagem são habilidades críticas para um desenvolvimento saudável. Muitos estudos mostram que o desempenho individual de funções executivas na infância muda as chances de lidar com sucesso com as oportunidades e obstáculos que enfrentam ao longo da vida. Funções executivas e linguagem bem desenvolvidas aumentam as chances de uma criança ter saúde física, neural e mental ao longo do desenvolvimento; reduz o ritmo de envelhecimento e sustenta uma maior produtividade e prosperidade. Por outro lado, déficits em funções executivas e linguagem na infância predizem inúmeros prejuízos comportamentais e emocionais ao longo da vida, incluindo transtornos mentais. Crianças com funções executivas subdesenvolvida aos 3 anos de idade representam cerca de 20% da população, mas constituem quase 80% dos adultos que provavelmente necessitarão de alguma forma de assistência social ou econômica.

O problema

Não existem métodos de triagem precoces, escalonáveis e precisos para prever resultados de funções executivas e linguagem, estratificar crianças de risco e prever respostas a intervenções nos primeiros 1000 dias. Assim, poderíamos ajudar a garantir uma vida saudável e produtiva para milhões em todo o mundo.

O projeto

Este projeto integra pesquisadores de diferentes disciplinas da USP e de instituições colaboradoras para monitorar amplamente e em detalhe o desenvolvimento de bebês e assim criar modelos de predição para funções executivas e linguagem aos 36 meses de vida.

O que será feito

Acompanharemos o desenvolvimento de 500 bebês desde o nascimento até os 36 meses de vida de forma muito ampla. Serão investigados o genoma completo das crianças e ao longo do tempo, o microbioma (através das fezes e do leite materno) e as mudanças epigenéticas que ocorrem. Ao mesmo tempo, será investigada a maturação cerebral através de eletroencefalograma e o desenvolvimento cognitivo, motor e emocional. As relações familiares, o cuidado materno e os estímulos que recebem também serão caracterizados ao longo de todo o tempo de acompanhamento.

O que buscamos alcançar

Caracterizando de forma detalhada o desenvolvimento em todos os níveis e desde o nascimento, buscaremos integrar todos os dados e assim, identificar modelos matemáticos para predizer boas habilidades de funções executivas e linguagem aos 36 meses de vida.

O projeto e o programa 1k Leap – https://wellcomeleap.org/1kd/

A Leap promoverá a integração dos 10 grupos de pesquisa internacionais financiados por este programa, todos focados no mesmo problema. Com essa possibilidade de colaboração, aumentaremos o tamanho da amostra, poderemos validar o modelo encontrado em nossa população em diferentes populações, e contaremos com a colaboração de especialistas em diferentes áreas. Assim, os dados gerados pelo nosso projeto assumem um potencial ainda maior de gerar inovações na área.

Pesquisadores Principais: Alline C Campos, Faculdade de Medicina da USP-RP; André Fujita, Instituto de Matemática e Estatística da USP; Carla R. Tadei, Faculdade de Ciências Farmacêuticas e Escola de Artes, Ciências e Humanidades da USP; Maria Rita P Bueno, Instituto de Biociências da USP; Patricia Cristina Baleeiro Beltrão Braga, Instituto de Ciências Biomédicas da USP.

Pesquisadores Associados: Ana C.V. Krepischi, Instituto de Biociências da USP; Alicia Matijasevich, Faculdade de Medicina da USP; Ana Claudia Mattiello Sverzut, Faculdade de Medicina USP-RP; André C. Ponce de Leon Ferreira de Carvalho, Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação da USP (São Carlos); Cláudia Regina Furquim de Andrade, Faculdade de Medicina da USP; Cristina S Bittencourt Bogsan, Faculdade de Ciências Farmacêuticas da USP; Daniel Fatori, Faculdade de Medicina da USP; Debora Maria Befi Lopes, Faculdade de Medicina da USP; Dirce Maria Lobo Marchioni, Faculdade de Saúde Pública da USP; Elaine Grolla, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP; Elizabeth Shephard, Faculdade de Medicina da USP; Fátima L. S. Nunes, Escola de Artes, Ciências e Humanidades da USP; Guilherme Yamamoto, Instituto de Biociências da USP; Helena Brentani, Faculdade de Medicina da USP; Ligia Ferreira Gomes, Faculdade de Ciências Farmacêuticas da USP; Linus Pauling Fascina, Hospital Israelita Albert Einstein; Marcelo Antunes Nolasco, Escola de Artes, Ciências e Humanidades da USP; Maria Teresa Bechere Fernandes, Faculdade de Medicina da USP; Mayana Zatz, Instituto de Biociências da USP; Michel Naslavsky, Instituto de Biociências da USP; Rogerio Lerner, Instituto de Psicologia da USP; Romy Schmidt Brock Zacharias, Hospital Israelita Albert Einstein; Luísa Zagne Braz, Hospital Municipal Vila Santa Catarina; Debora Douek, Instituto de Pesquisa Hospital Israelita Albert Einstein.

Instituição Principal: Universidade de São Paulo.

Instituições Colaboradoras: Hospital Israelita Albert Einstein e Hospital Municipal Santa Catarina.

Por: Portal do Governo de SP