Conheça as ações da Comissão de Gestão Ambiental da FMRP

A Comissão de Gestão Ambiental (CGA) da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da USP atua em ações de educação ambiental para alunos, pós-graduandos e funcionários. “Não é possível resolver nenhuma questão ambiental sem esse envolvimento. Limitar as emissões de carbono e o aquecimento global, preservar as fontes de água limpa e a biodiversidade, diminuir a produção de resíduos, bem como dar a eles o destino ambientalmente adequado são objetivos que requerem a participação ativa da comunidade”, conta o professor Fernando Bellissimo Rodrigues, coordenador da CGA.

Com o objetivo de esclarecer como hábitos diários repercutem no meio ambiente, a Comissão participa da Semana de Recepção ao Calouro com uma apresentação interativa, seguida da distribuição de canecas reutilizáveis e exposição de painéis ligados à temática ambiental. Já na Pós-graduação, é oferecida a disciplina Saúde e Sustentabilidade, ligada ao Programa de Pós-Graduação em Saúde Pública, e que tem sido procurada por pós-graduandos de várias unidades e com formação variada.

“Na área administrativa realizamos ações educativas e orientações quanto ao consumo e uso racional de água, de energia, de materiais duráveis e o consumo consciente. Além de treinamentos direcionados aos servidores administrativos e de laboratórios, abrangendo a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) e também treinamento específico da gestão de resíduos em serviço de saúde”, conta a professora Regina Yoneko Dakuzaku Carretta. A Comissão também realiza publicações de informativos técnicos, cartazes e mensagens educativas que são veiculadas através do e-mail institucional e no site.

Adaptações na pandemia

Com a necessidade de isolamento social na pandemia, a CGA manteve aulas e apresentações para calouros e eventos on-line, como o mini-curso on-line sobre Gerenciamento de Produtos Químicos em novembro de 2020, realizado em parceria com o Instituto de Química da USP.

“Na campanha do Dia Mundial da Limpeza, comemorado no dia 19 de setembro, a ação ocorreu de modo virtual, onde os funcionários e a comunidade foram convidados a pensar de que forma cuidam do seu ambiente e a repensar hábitos e atitudes. A divulgação foi através da veiculação de cartazes através do email institucional e na página da Comissão”, conta Ruy Sordi Campanini.

Gestão de resíduos

Uma das vertentes de atuação da CGA é o Grupo de Trabalho em Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde, como:

  • Coleta de pilhas e baterias,
  • Resíduos recicláveis,
  • Isopor,
  • Resíduos comuns,
  • Resíduos infectantes e
  • Resíduos químicos.

“Além das ações práticas direcionadas, o grupo elaborou e atualiza periodicamente o Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde (PGRSS), documento exigido pela PNRS. Realiza também campanhas para doações de roupas, calçados, brinquedos de acordo com datas comemorativas e festivas.  A comissão disponibiliza duas Estantes de Troca, onde se pode fazer doações e trocas de roupas, calçados, bijuterias, livros, material escolar e vários outros itens”, conta Luciana Gonçalves de Aguiar Campanini.

Outro destaque é a gestão de resíduos orgânicos, a Unidade tem uma composteira localizada na Rua das Paineiras, casa 19, e sob responsabilidade das servidoras Luciana e Marina Zilio Fantucci. “Os resíduos orgânicos colocados na composteira são provenientes da copa compartilhada pelos usuários das Casas 18 e 19, por resíduos domiciliares eventualmente levados por esses usuários, e também por resíduos de jardins e podas deste local. O adubo gerado é usado nas plantas e também doado à comunidade, mas o trabalho está pausado durante a pandemia”, conta Marina.

Uso racional da água

No Campus de Ribeirão Preto, há uso de água de poços artesianos locais e, pensando na economia, foram instaladas bacias sanitárias de modelo caixa acoplada que possui um gasto fixo de 6 litros por descarga, normatizado pela NBR 15.097/0, evitando o desperdício de uma válvula hidra de fluxo contínuo. Além de torneiras temporizadas, conscientização por meio de palestras sobre o uso do bem comum, medições  das quantias gastas em hidrômetros setorizados e performance de volume da água utilizada pela Unidade.