You are currently viewing Escritório USP Mulheres e a SAS lançam a campanha Moradias estudantis sem violência de gênero

Escritório USP Mulheres e a SAS lançam a campanha Moradias estudantis sem violência de gênero

O Escritório USP Mulheres e a Superintendência de Assistência Social (SAS) lançaram no mês de março a campanha Moradias estudantis sem violência de gênero que visa desvelar, nomear e dar visibilidade às diferentes formas de violências de gênero que podem ocorrer no âmbito das moradias estudantis, sejam elas institucionais ou nas repúblicas de estudantes que se formam no entorno de cidades universitárias. Assim como na sociedade em geral, as moradias estudantis e demais espaços comuns na universidade são ambientes nos quais essas formas de violência, suas desigualdades e assimetrias podem se manifestar.

Com caráter informativo e educativo, a campanha conta com seis peças que retratam diferentes violências de gênero com o pano de fundo das moradias estudantis, seguidas da identificação da violência representada em cada história e de orientações de onde buscar ajuda.

Clique aqui para ler a Cartilha de Protocolo de Atendimento da SAS e confira as peças:

Contextualização

A presente campanha se localiza como um desdobramento da criação do  Protocolo de atendimento da SAS para casos de violência de gênero contra mulheres na Universidade, elaborado ao longo do ano de 2020, no contexto da pandemia da covid-19, a partir da leitura de referenciais técnicos e discussões entre a equipe da SAS e a área de Programas do Escritório USP Mulheres, contando com contribuições fundamentais das assistentes sociais de outros campi da USP. A portaria que institui o protocolo foi assinada pelo Reitor Vahan Agopyan (Portaria GR Nº 7653), em dezembro de 2020.

Para dar visibilidade às mudanças e impactos na vida das mulheres com a pandemia de covid-19, o Escritório USP Mulheres realizou duas campanhas em 2020: a primeira “A USP unida pela igualdade de gênero” procurou conscientizar a comunidade universitária sobre a necessidade de uma justa divisão de tarefas domésticas e de cuidados com familiares, durante (e após) o período de isolamento social e a segunda, “A USP ‘mete a colher’ na violência doméstica”, visava incentivar a comunidade universitária a identificar esse grave problema social, oferecer ajuda e intervenção adequadas, ampliando o debate e o conhecimento de recursos disponíveis em sua região.

Para saber mais sobre a campanha Moradias estudantis sem violência de gêneroclique aqui.

Para acessar informações sobre o protocolo e agendamento com as assistentes sociais da SAS, clique aqui