Diretrizes ajudam terapeutas ocupacionais no atendimento a pacientes com covid-19

Por: Giovanna Grepi

Fonte: Jornal da USP

A pandemia causada pelo novo coronavírus proporcionou mudanças em diversas profissões e os terapeutas ocupacionais estão entre os profissionais que precisam se adequar aos novos procedimentos e ao pós-pandemia. Para ajudar nesta mudança, terapeutas ocupacionais da USP Ribeirão participaram da elaboração do primeiro guideline brasileiro Diretrizes para a assistência da Terapia Ocupacional na pandemia da covid-19 e perspectivas pós-pandemia, que foi publicado na Revista Medicina USP Ribeirão.

O artigo publicado tem como objetivo apresentar diretrizes e recomendações aos profissionais sobre o manejo clínico de pacientes com covid-19 em diferentes níveis de atenção à saúde, para favorecer a assistência segura e com qualidade técnico-científica.

A elaboração contou com dez terapeutas ocupacionais de diversos Estados brasileiros, entre eles as professoras Marysia Mara Rodrigues do Prado De-Carlo e Luciana Buin, ambas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP), e Cristiane Aparecida Gomes-Ferraz e Gabriela Rezende, ambas da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto (EERP), todas da USP.

De acordo com o estudo, os autores buscam atingir terapeutas ocupacionais, gestores e outros profissionais interessados pelo conhecimento e pelas ações da terapia ocupacional com pacientes com covid-19 e seus familiares. Os autores lembram que a publicação não substitui as políticas institucionais e nacionais. “Estão baseadas nos princípios da Ciência Ocupacional e nas melhores evidências disponíveis na literatura, balizadas pela experiência de todos os profissionais envolvidos na produção do documento.”

Alertam, ainda, que uma vez que a covid-19 é uma doença recente, há necessidade de constante atualização das informações e novas evidências científicas poderão ser publicadas, mas que “o raciocínio clínico é imprescindível para o planejamento e implementação da assistência aos pacientes e seus familiares ou cuidadores e será necessário o acompanhamento dos pacientes positivos para o Sars-CoV-2 para a verificação das consequências da covid-19, das necessidades e demandas de reabilitação das pessoas acometidas, pós-hospitalização e pós-pandemia”.

No texto foram abordados temas como a privação ocupacional decorrente da pandemia e da estratégia de distanciamento social e os recursos técnicos recomendados para a promoção do desempenho ocupacional e manejo de dor e de sintoma em diferentes contextos, com destaque para a atuação do terapeuta ocupacional na atenção básica, na atenção hospitalar e nos cuidados paliativos.