O Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto inaugurou a primeira Unidade de Acidente Vascular Cerebral (AVC) da região

16.10.27 - Inauguração da Unidade de AVC - HCRP (199)O Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto inaugurou hoje (27) a primeira Unidade de Acidente Vascular Cerebral (AVC) da região nordeste do estado de São Paulo. O investimento em obras e equipamentos para os 10 leitos criados somou cerca de R$ 170 mil.

“É uma unidade especializada para cuidar de pacientes com AVC. Temos uma equipe treinada e capacitada para o trabalho interdisciplinar e que consegue prever e reduzir os efeitos das complicações, diminui as complicações clínica se as infecções, melhora a evolução clínica e podem sair mais rápido do Hospital com menos sequelas”, explica o coordenador da Unidade de AVC, Dr. Octávio Marques Pontes Neto.

Para ele, há um enorme ganho na qualidade do atendimento. “Quando um hospital cria uma unidade de AVC e esses pacientes são atendidos por uma equipe especializada e trabalha de maneira interdisciplinar, isso é muito superior ao atendimento em uma enfermaria. Os resultados são muitos superiores”, explica.

No Brasil são registrados 400 mil casos de AVC no Brasil por ano. São cerca de 100 mil óbitos por ano por acidente vascular cerebral no País. Mais da metade dos sobreviventes ficam com sequelas incapacitantes que poderiam ser evitadas se esses pacientes tivessem acesso rápido ao tratamento emergencial e a internação em unidades especializadas.

“As pessoas precisam reconhecer os sintomas do AVC e agir rapidamente para serem tratadas. O tratamento do AVC isquêmico, 80% dos casos, depende da administração de um remédio chamado de trombolítico que é aplicado na veia nas primeiras horas do início dos sintomas e dissolve o coágulo e o sangue volta a correr para o cérebro”, explica.

Mas esclarece que “esse remédio só pode ser aplicado até 4 horas e meia do início dos sintomas. A cada minuto que passa o paciente perde 1,9 milhão de neurônios. Quanto mais cedo conseguir desobstruir a artéria, mais tecido cerebral será salvo. Próximo de 4 horas e meia vai ter benefício, mas mesmo que abra a artéria será pequeno. Se conseguir abrir na primeira hora a chance de ficar sem sequelas chega passa de 50%”, explica Pontes Neto, que também é professor da FMRP.

Reconhecer o AVC

A vítima de AVC pode apresentar subitamente:

- Perda de força (paralisia) ou dormência de um lado do corpo,

- Perda súbita da visão em um olho ou ambos os olhos

- Dificuldade para falar ou entender o que está sendo dito.

- Vertigem súbita, dificuldade para andar, problemas de coordenação

- Dor de cabeça inédita, intensa, com início súbito e explosivo.

Prevenção

A boa notícia é de que AVC tem tratamento e prevenção. É possível reduzir em até 90% o risco de AVC se eliminarmos alguns fatores de risco: hipertensão, obesidade, diabete, problemas com o colesterol, tabagismo e sedentarismo. Por outro lado temos o tratamento, mas é uma emergência médica. “Um paciente com AVC tem que ser rapidamente encaminhado a um hospital”, afirma Dr. Octávio Pontes Neto.

Tipos de AVC

AVC isquêmico é geralmente ocasionado por uma obstrução de uma artéria cerebral e corresponde a maioria (80%) dos casos. Já o AVC hemorrágico ocorre quando há o rompimento de um vaso cerebral e um sangramento (hemorragia) em algum ponto do sistema nervoso e corresponde a 20% dos casos de AVC.

Referência: Assessoria de Comunicação HCFMRP-USP
Home      Voltar
Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP

Av. Bandeirantes, 3900 - Monte Alegre - CEP: 14049-900 Ribeirão Preto/SP.

acesse nossas comunidades logo_face  logo_tw  stoa-logo-white AlumniUSPTV_Complexo0 

Desenvolvido por Xpirit