HCFMRP-USP faz primeiras cirurgias de implante coclear binaural

coclearPossibilidades de redução de custo do implante e melhora a detecção do som em ambientes com ruído.

No início do segundo semestre, o Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (HCFMRP) da USP realizou duas cirurgias com o implante coclear binaural em pacientes adultos com perda total da audição nas duas orelhas. A técnica chegou este ano ao Brasil e pode ser uma alternativa mais eficiente ao implante unilateral (em apenas uma orelha), além de custar mais barato do que o bilateral (duas orelhas).

Segundo o médico Miguel Angelo Hyppolito, professor do Setor de Otorrinolaringologia da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da USP, muitos serviços de saúde públicos e centros especializados recomendam o implante coclear unilateral (ao invés do bilateral) devido a questões de não cobertura pelo SUS, pelo custo, possibilidade de preservação da outra orelha para tecnologias futuras, risco adicional de uma segunda cirurgia. “Porém, o implante bilateral melhora a percepção da fala em ambientes ruidosos quando comparado ao unilateral. Além disso, há o ‘efeito sombra’ no unilateral: o som que chega do lado sem implante não chega da mesma forma na orelha com implante”.

A alternativa do implante coclear binaural deve beneficiar os pacientes com a possibilidade de, em um procedimento único, as duas orelhas serem implantadas com menores custos aos serviços de saúde. “Neste tipo de implante um único implante é responsável por promover estimulação em ambas as cócleas (parte interna do ouvido).”

O implante binaural é indicado para as pessoas com mais de 18 anos, com “perda auditiva neurossensorial grave a profunda”; aquela em que se “perde” as células de dentro do ouvido, sem a possibilidade de recuperação. “Neste tipo e grau de perda o aparelho auditivo da pessoa fica normal, mas quando o som tem que ser transmitido para a orelha interna, não existem as células que vão captar esse som e transformá-lo em  sinal elétrico para o nervoauditivo”, explica o professor.

Para receber o implante binaural, a pessoa precisa ter perda total da audição nos dois ouvidos ou uma perda que não pode ser resolvida pelos aparelhos auditivos convencionais. O procedimento ainda não é indicado para crianças.

Binaural - O dispositivo do implante binaural corresponde a um único receptor-estimulador conectado a dois feixes de eletrodos, responsáveis por estimular as fibras neurais remanescentes em ambas as cócleas, simultaneamente e sincronicamente. Cada feixe apresenta 12 eletrodos, conectados a um eletrodo terra, totalizando 24 canais ativos de estimulação e velocidade de até 24.000 pulsos por segundo. Um microfone contralateral é conectado ao processador de fala convencional, que analisa separadamente os sinais de entrada originados das duas orelhas, e os envia de forma sincrônica para os eletrodos posicionados nas diferentes cócleas, proporcionando, dessa forma, uma audição binaural.

Funcionamento – “O implante binaural capta o som, que é uma onda mecânica, transforma-o em sinal elétrico e esse estimula os neurônios que ficam dentro do ouvido, os chamados neurônios do gânglio espinhal. São esses neurônios que encaminham para o cérebro a resposta elétrica com os tipos de som, determinados pela frequência”, explica.

A cirurgia para implantar o bianural é semelhante à bilateral, mas é mais rápida. Dura cerca de duas horas. O eletrodo maior fica embaixo do couro cabeludo. São feitas duas incisões, uma em cada orelha para introduzir os eletrodos. “O dispositivo é ligado 30 ou 40 dias após a cirurgia. Não é de imediato que a pessoa começa a ouvir. É preciso esse prazo para que ocorra a cicatrização, diminuição do inchaço e estabilização do aparelho, que é a unidade interna implantada”.

O paciente já começa a perceber os sons com a ativação do implante e progressivamente os estímulos são aumentados para o cérebro ir se adaptando. “A pessoa passa a ouvir os sons muito próximos ao natural”.

O professor informou que o implante binaural passou a ser adotado no Hospital das Clínicas, mas dentro das limitações do SUS. Atualmente, o hospital é autorizado a realizar 40 procedimentos cirúrgicos de implantes auditivos por ano.

Mais informações: site www.fmrp.usp.br/auditivo

Referência: Portal de Informações da USP / Ribeirão Preto – Por : Hérika Dias – Imagem: www.brainwavelove.com

Home      Voltar
Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP

Av. Bandeirantes, 3900 - Monte Alegre - CEP: 14049-900 Ribeirão Preto/SP.

acesse nossas comunidades logo_face  logo_tw  stoa-logo-white AlumniUSPTV_Complexo0 

Desenvolvido por Xpirit