Dr. Edgar Ianhez Júnior aponta os cuidados que se deve ter com o idoso

Dr_-Edgar-HEAB1-300x199

Para esta edição especial do Jornal Eletrônico do Complexo Acadêmico de Saúde FMRP – HCFMRP – FAEPA, o  médico geriatra titulado pela Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG) e coordenador das enfermarias clínicas do Hospital Estadual Américo Brasiliense (HEAB), Dr. Edgar Ianhez Júnior explorou em um artigo os cuidados que devemos ter com os idosos em casa.

Quem nunca ouviu falar em um idoso que caiu e sofreu complicações?

Cerca de 3 em cada 10 pessoas com mais de 65 anos cai a cada ano e metade destes apresenta quedas múltiplas. As quedas são a terceira causa de internação de pessoas com mais de 80 anos de idade.

O envelhecimento traz uma série de mudanças no organismo que facilitam a ocorrência de quedas, como problemas da visão, deficiência auditiva, perda de massa óssea, perda de força muscular, além do efeito cumulativo de doenças associadas à idade tais como artroses (desgaste das articulações), alterações de sensibilidade nos pés (comuns em quem tem diabetes e problemas de circulação), tontura e efeitos colaterais de medicamentos em excesso.

As quedas podem ter consequências graves, mesmo quando a pessoa cai da própria altura, desde lesões na pele, que é mais frágil nos idosos, até fraturas de fêmur e outros ossos ou hemorragias cerebrais.

Mesmo quando não há ferimentos graves a queda deve ser levada a sério, pois se sabe que quem já caiu uma vez tem maiores chances de cair novamente! Caso não se identifique e trate os motivos da queda ela tende a ficar cada vez menos ativa, muitas vezes pelo medo de cair outra vez, o que leva a mais fraqueza e maior chance de cair de novo.

É importante conhecer os fatores de risco para as quedas para poder combatê-los:

  1. Desequilíbrio, inatividade, fraqueza muscular:

Para prevenir estes fatores é essencial manter o corpo ativo. Recomenda-se realizar pelo menos 30 minutos de atividade física por dia. Não precisa ser em academia, já vale ir a pé à igreja, ao supermercado, passear com o cachorro, subir escadas. Vale a pena investir em atividades como caminhadas, alongamento, dança, ioga e Tai Chi Chuan.

Porém cada atividade deve ser individualizada para as dificuldades de cada um, nem todo idoso terá condições de manter as atividades que fazia quando mais jovem na mesma intensidade. Ignorar as limitações que o envelhecimento traz pode aumentar os riscos de quedas!

  1. Problemas Visuais e Auditivos:

É comum com o passar do tempo apresentar mudanças na visão como sensação de olhos cansados, dificuldade de focar os objetos, dificuldade de diferenciar cores. É importante consultar anualmente um oftalmologista para prevenção ou tratamento de doenças da visão.

A audição também pode piorar com a idade, às vezes por problemas simples como rolhas de cera nos ouvidos, outras vezes por problemas degenerativos. Os ouvidos são muito importantes para o equilíbrio do corpo. Também é importante consultar seu médico se tiver dificuldade de audição.

  1. Doenças crônicas/Uso de medicamentos:

Com o avanço da medicina a população vive mais tempo, mas muitas vezes é necessário aprender a conviver com doenças crônicas, que necessitam acompanhamento médico frequente para serem bem controladas, como hipertensão, diabetes, osteoporose, depressão. É importante não descuidar do tratamento e seguir a prescrição médica corretamente.

Medicamentos em excesso são fatores de risco para quedas, portanto deve-se evitar a automedicação e é importante sempre contar ao seu médico sobre todos os seus remédios para que ele possa avaliar se estão corretos.

  1. Fatores ambientais:

Banheiro:

-Usar tapetes antiderrapantes;

-Não se apoiar na cortina, no Box ou no registro, instalar barras de apoio próximas ao chuveiro e vaso sanitário;

- Se tiver dificuldade de abaixar-se no banho, usar cadeira de plástico firme e resistente;

Quarto:

- Evitar camas muito baixas ou colchões muito macios, pois pode ser mais difícil de levantar;

- Nunca levantar no escuro, use um interruptor ou abajur ao lado da cama;

Sala:

- Facilite a circulação: não deixe obstáculos no caminho (mesas de centro, tapetes ou objetos espalhados no chão);

- Evite encerar o piso;

Cozinha:

- Evite tapetes ou passadeiras

- Evite usar prateleiras muito altas ou muito baixas: mantenho os objetos mais usados em altura de fácil alcance, não suba em banquinhos ou escadas sem auxílio;

É importante se conscientizar para a prevenção das quedas, pois um único acidente pode trazer consequências irreversíveis. Quanto antes forem adotadas estas mudanças no comportamento e adotado um estilo de vida ativo e saudável, melhores os resultados, garantindo muito mais qualidade de vida.

Referência: Assessoria de Imprensa HEAB – Por: Cássio de Paula

Home      Voltar
Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP

Av. Bandeirantes, 3900 - Monte Alegre - CEP: 14049-900 Ribeirão Preto/SP.

acesse nossas comunidades logo_face logo_tw stoa-logo-white TV_Complexo0

Desenvolvido por Xpirit