Avaliação física simples diagnostica caquexia

caquexia-300x161

A caquexia é uma síndrome associada a algumas doenças que causa perda de peso e força muscular, principalmente em idosos com câncer – chega a acometer 85% desses pacientes.

Apesar de ser uma consequência de doenças graves e com grande impacto na saúde das pessoas, ainda é pouco abordada, sendo que a literatura médica descreve taxa de diagnóstico de apenas 2,4% dos casos. A explicação, adianta o geriatra da USP, está na dificuldade de interpretação pelos médicos (da perda da massa e força muscular) e da demanda de exames sofisticados e caros para o diagnóstico.

Para reverter essa situação, um pesquisador da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da USP usou um teste simples para avaliar a atividade física espontâneas desses doentes, através do estudo de parâmetros como o tempo sentado/deitado, o tempo em pé, o tempo caminhando e o número de passos dados e ver a sua associação com a caquexia.

INORP (instituto oncológico de Ribeirão Preto)

O médico geriatra e especialista em cuidados paliativos, André Filipe Junqueira dos Santos (foto) , em seu trabalho de doutorado, usou um aparelho de fácil manejo e muito utilizado em pesquisas médicas, o qual usa o mesmo princípio dos smartphones para detectar posição e localização. Através deste dispositivo, avaliou-se o impacto da caquexia na atividade física espontânea de idosos com câncer e segundo o pesquisador “existe uma correlação positiva entre a baixa atividade física espontânea com baixa massa e força muscular”. Desta maneira, é possível em futuros estudos, padronizar este tipo de equipamento para avaliar de maneira menos invasivas e mais ampla a funcionalidade de pessoas acometidas por esta condição médica e de forma precoce.

A importância do diagnóstico precoce dessa síndrome, explica o médico, “permite que algumas estratégias para atenuar seu impacto sejam tomadas, como uso de medicações e fisioterapia”. A perda da massa muscular e, consequentemente, da força muscular, predispõe esses idosos a um declínio “quantitativo e qualitativo na sua funcionalidade, sendo por si só um fator de piora da qualidade de vida e aumento da mortalidade”.

Como ainda não existe nenhum tratamento que permita recuperar a massa muscular desses doentes, já que sem a interrupção da doença que causa a caquexia a perda da massa muscular é continua e irreversível, o diagnóstico precoce é fundamental para melhorar a vida desses doentes enquanto convivem com a doença.

Assim, o pesquisador visualiza um método simples para ajudar a comunidade médica no aumento da taxa de identificação da doença e consequente tomada de atitudes. Basta, segundo ele, verificar essa relação entre as atividades físicas espontâneas, como o simples ato de caminhar – um elemento do dia a dia das pessoas, com a perda de massa e força muscular.

Caquexia. Está relacionada a um aumento do consumo de energia do organismo devido a substâncias inflamatórias produzidas pelo tumor (no caso do câncer); provoca perda de peso, perda de massa muscular e está correlacionada a uma má resposta ao tratamento oncológico e ao aumento da mortalidade.

Prêmio por trabalho em área ainda incipiente no país

Os achados do médico André Filipe são muito importantes para a saúde dos idosos e não só a dos brasileiros. Pela sua tese de doutorado “Correlação da atividade física espontânea com a composição corporal, a capacidade funcional e a qualidade muscular em idosos com caquexia associada ao câncer”, defendida no ano passado sob orientação do professor Eduardo Ferriolli no Departamento de Clínica Médica da FMRP, André ganhou uma bolsa para participar do Décimo Quarto Congresso Mundial da Associação Europeia de Cuidados Paliativos. O evento ocorreu de oito a dez de maio último em Copenhague, Dinamarca.

Falando sobre sua participação nesse congresso, que é considerado o principal evento sobre cuidados paliativos do mundo, o pesquisador acredita que foi escolhido por ter demonstrado que a avaliação que realizou “é fundamental para orientar as equipes médicas e multidisciplinares – nutricionistas, fisioterapeutas e psicólogos, por exemplo – no tratamento de um paciente com saúde comprometida, pois fornece visão global; o que exames de imagem e sangue por si só não conseguem demonstrar”.

Cuidados paliativos. Segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde), cuidados paliativos consistem na assistência promovida por uma equipe multidisciplinar, objetivando a melhoria da qualidade de vida do paciente e seus familiares diante de uma doença que ameace a vida, com poucas ou nenhuma chance de recuperação.

São cuidados preventivos e de alívio do sofrimento, através da identificação precoce e avaliação impecável da dor e demais sintomas físicos, sociais, psicológicos e espirituais.

No Brasil, adianta o pesquisador, apesar do envelhecimento contínuo da população e da necessidade de os serviços de saúde oferecerem condições adequadas para esses pacientes em fase final da vida, a área de Cuidados Paliativos ainda é bastante incipiente. “Por isso, é importante que os profissionais brasileiros se informem constantemente, a fim de buscar o melhor para aqueles que estão recebendo tratamento nessa etapa da vida”.

Ambulatório do HCRP. Resultado do projeto desenvolvido pelo geriatra foi a criação, em março de 2013, do Ambulatório de Oncogeriatria do Hospital das Clínicas da FMRP (HC-FMRP). André conta que este é um serviço pioneiro no interior do estado de São Paulo e que, até o momento, já atendeu mais de 200 pacientes com idade acima de 65 anos.

Este serviço, segundo o médico, tem como objetivo principal a assistência aos pacientes idosos com diagnóstico de câncer, mas também “permite a capacitação de novos médicos geriatras e oncologistas, na criação de um ambiente acadêmico para discussão de casos clínicos, no desenvolvimento de uma visão diferenciada junto aos médicos participantes e na criação de novas pesquisas clínicas na área”.

Mais informações: (16) 3602-1225

Referência: Portal de Informações da USP/ Ribeirão Preto – Por: Rita Stella

Home      Voltar
Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP

Av. Bandeirantes, 3900 - Monte Alegre - CEP: 14049-900 Ribeirão Preto/SP.

acesse nossas comunidades logo_face  logo_tw  stoa-logo-white AlumniUSPTV_Complexo0 

Desenvolvido por Xpirit